segunda-feira, 25 de maio de 2009

Você tem certeza de que entendeu o título do blog?

Munch X Homer

O GRITO. Quadro de Edvard Munch
(Pintor norueguês)

Surpreendeu-me a crítica (construtiva) que recebi de um amigo sobre o nome de meu blog. Segundo ele o adjetivo "insano" esta gasto e caiu no lugar comum.
Após refletir durante um tempo, pensei ser isto possível, quando então elaborei uma "justificativa" e ele indagou:

- Por que você não divulga essa informação?
_ Não julguei nescessária. Pensei estar implícita o conceito de insanidade ao qual refiro-me.

O diálogo prosseguiu por um tempo e serviu pra eu explicasse a razão de ser deste nome para o meu blog.
Minha idéia central era de uma multiplicidade, de sabores, aromas, texturas, uma mistura e por isso o nome
CALEIDOSCÓPIO.
Um caleidoscópio ou calidoscópio é um aparelho óptico formado por um pequeno tubo de cartão ou de metal, com pequenos fragmentos de vidro colorido, que, através do reflexo da luz exterior em pequenos espelhos inclinados, apresentam, a cada movimento, combinações variadas e agradáveis de efeito visual.

O nome "caleidoscópio" deriva das palavras gregas καλός (kalos), "belo, bonito", είδος (eidos), "imagem, figura", e σκοπέω (scopeο), "olhar (para), observar".

FONTE:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Caleidosc%C3%B3pio
.

Pensei que apreciaria um substantivo masculino com um adjetivo de igual forma, então surge o termo insano, bom seria o "louco" mas louco parecia pouco sonoro, então INSANO apeteceu-me mais o gosto.

E por que o fascínio pela insanidade?





Creio que a História humana foi em grande parte marcada por conquistas, conquistas estas que não seriam possíveis no "conforto" da comodidade e das certezas, tudo o que a humanidade produziu de bom foi em grande parte fruto da locura, foi assim com Santos Dumont, Einteins, Galileu, foi assim com os visionários, os ditos "loucos", Rotterdam em seu livro: "O Elogio da Loucura" comenta sobre os efeitos libertadores da mesma para a mente e vida das pessoas.

Concluindo: Logo, não é das zonas de conforto que surgem mudanças.
Não são da lucidez burguesa ou dos falsos moralismo que crescemos.
Nós crescemos na dúvida, no ousar, na intrepidez, no questionamento, no protesto, na busca, na contestação e especialmente unimultiplicidade.


"Nada há de mais natural para a Loucura que soprar na trombeta da glória e entoar, em pessoa, os seus próprios louvores.
Quem me descreveria com mais verdade, se ninguém me conhece melhor que eu própria me conheço?"


- "Elogio da Loucura",

Erasmo de Rotterdam

domingo, 10 de maio de 2009

Palavras

Palavras, são elas tão arriscadas, podem ferir ou curar,
não foram poucas as pessoas que sobres elas discorreram.
Compartilho com você uma de minhas músicas preferidas,
a qual poderia muito bem compor a trilha sonora da minha vida.

Palavras não são más.
Palavras não são quentes.
Palavras são iguais Sendo diferentes.
Palavras não são frias.
Palavras não são boas.

Os números pra os dias E os nomes pra as pessoas.
Palavras eu preciso Preciso com urgência.
Palavras que se usem em caso de emergência.
Dizer o que se sente Cumprir uma sentença.
Palavras que se diz Se diz e não se pensa.

Palavras não tem cor.
Palavras não tem culpa.
Palavras de amor Pra pedir desculpas.
Palavras doentias Páginas rasgadas.
Palavras não se curam Certas ou erradas.
Palavras são sombras As sombras viram jogos.
Palavras pra brincar Brinquedos quebram logo.

Palavras pra esquecer Versos que repito.
Palavras pra dizer De novo o que foi dito.
Todas as folhas em branco.
Todos os livros fechados.
Tudo com todas as letras.
Nada de novo debaixo do Sol
...
FONTE:
http://vagalume.uol.com.br/titas/palavras.html

...
video

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...